pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Agosto 2022

Sobre o autor

Arleir Bellieny

Arleir Bellieny

Compartilhar -

O mês de agosto chega nos trazendo à lembrança de dois ilustres mestres da ciência das almas. Em 1831, no dia 29, nascia em Riacho do Sangue (CE), hoje Jaguaretama, Adolfo Bezerra de Menezes Cavalcante, esse que é o amorável Dr. Bezerra de Menezes, homenageado por todo o mundo Espírita; em 1916, no dia 10, na cidade de Salvador (BA), nascia Jorge Andréa dos Santos, o saudoso e querido por todos nós, Dr. Jorge Andréa. Dois ícones que na ciência dos homens e na Doutrina Espírita, deixaram uma contribuição aguda e farta para o futuro da humanidade.

Ambos são merecedores de justas homenagens nessa época do ano. Aproveito a oportunidade para relatar um acontecimento marcante que ocorreu comigo, promovendo a conexão dessas duas celebridades: no início da década de 90 em uma das minhas idas à cidade de Sacramento (MG) em visita a Chácara Triângulo, onde desde 1904 é realizado, ininterruptamente, o culto do Evangelho no Lar, fundado por Eurípedes Barsanulfo diariamente às 09:00, fui recebido com todo o carinho e respeito por Heigorina Cunha, sobrinha consanguínea do professor Eurípedes, escritora, beletrista, poetisa e médium, numa manhã de primavera, enquanto pássaros sobrevoavam no interior do auditório singelo, convidou-me a fazer uso da palavra e dissertar sobre uma página do Evangelho segundo o Espiritismo, aberta e lida ao acaso.

Nos que ali se encontravam, como que transportados para outras dimensões, notava-se algumas lágrimas escorrendo pelas faces agradecidas e gratificadas pelas bênçãos de estar participando do banquete espiritual que estava sendo servido na simplicidade do cristianismo nascente.

O ambiente bucólico favorecia a elevação da frequência vibratória de todos os presentes. Ao final da prédica, Heigorina passou-me um recado verbal atribuído ao Dr. Bezerra de Menezes: “diga ao Arleir que ele já aprendeu a fazer as pessoas chorarem com o Evangelho do nosso Senhor Jesus, agora é hora de despertar as consciências. Diga, que ele saberá como fazer”. Foi a primeira vez que recebi uma mensagem direta de um espírito de tamanha envergadura. Percebi o compromisso que estava assumindo.

A expressão “despertar consciências” soou com profundidade.

A partir de então, procurando elementos para adequar aos novos ajustes no campo dos estudos e aprendizados, encontrei na obra do Dr. Jorge Andréa as respostas para minhas indagações.

Confesso que tive relativa dificuldade para compreender suais ideias além das dimensões humanas. Porém ele, com a categoria, a simplicidade e a generosidade dos mestres, facilitou o meu entendimento, recomendando o estudo da cartografia da psique, campos do psiquismo, bem como os canais do psiquismo, do corpo físico ao inconsciente puro.

Nossos encontros foram sempre férteis, bem humorados e esclarecedores. Como por exemplo no texto que se segue extraído do livro Psicologia Espírita 1, (5ª edição, 1991, página 121/3):

 

O Homem da atualidade caminhando ao lado da técnica ainda está muito longe de sua integralização.

Apesar de todas as conquistas hodiernas e do desenvolvimento das ciências, o componente psicológico do homem está frágil, pouco construído e como que imaturo. O arcabouço psicológico humano não se encontra preparado para suportar o peso das responsabilidades que os nossos conhecimentos estão a exigir. A técnica tem avançado, o conhecimento se aprimora no dia a dia e o intelecto humano participa desse manancial; entretanto, os componentes psicológicos vitais, representados pelo que poderemos chamar de componentes espirituais, estão ainda a meio caminho. Estes crescerão à medida que a moralização da humanidade se afirme. Moralização, não em conceitos humanos de superfície e sim em bases afirmativas de criações realizadas no bem. Em outros termos: realizações positivas em atividade sem agressões de qualquer natureza nos caminhos da vida.

 

E continua as afirmativas na página 123:

 [...] não podemos continuar com a nossa irresponsabilidade espiritual, traduzindo imaturidade perante a Lei Evolutiva. Hoje, já não há mais tempo de meias medidas, pois a evolução também não se está retardando; está efetiva, rápida, informando que há um ciclo em processo final com nascimento de novas exigências, compreensões e novas responsabilidades.

O Homem novo está despontando para comandar as novas técnicas e as novas conquistas intelectivas, com o mesmo teor de fatores espirituais, para que o equilíbrio da nova civilização se faça em bases corretas, ajustadas, sem os desencantos e desequilíbrios, que o desajuste psicológico se tem manifestado até os nossos dias.

 

E conclui o capítulo dizendo que

 [...] de futuro, a criatura não terá expressões de uma realidade nominal, se não vivenciar as razões do Evangelho e o manancial de informações espirituais corretas que a Terra tem recebido por todos os tempos e, mais expressivamente, após o advento da Doutrina Espírita.

A consciência humana dará um, novo salto cósmico, e somente os que se prepararem terão possibilidades de acompanhar o grande evento.

Após esse estudo e outros tantos, com as benesses da sapiência e do aval do Dr. Andréa, pude compreender a extensão do recado do Dr. Bezerra de Menezes. Certamente, ambos fazem parte de um mesmo grupo de espíritos de escol que caminham entre nós com simplicidade e benevolência, em prol de uma sociedade humanizada.

Faço aqui minha homenagem rendendo um tributo aos mestres, com o entendimento que eles vêm ao longo da nossa caminhada, nos guiando através de suas sábias lições, compreendendo a necessidade que temos desses modelos e referências para melhor nortear nossa jornada terrena.

Compartilhar
Topo
Ainda não tem conta? Cadastre-se AGORA!

Entre na sua conta