pteneofrdeites
Compartilhar -

Em junho de 1948, por ocasião do I Congresso de Mocidades Espíritas do Brasil, chegávamos ao Rio de Janeiro como congressistas e representando Pernambuco com mais doze companheiros. Fixamos residência nesta capital e nesse mesmo ano, tivemos a ventura de conhecer pessoalmente dona Ernestina Ferreira dos Santos, diretora do Abrigo Tereza de Jesus, instituição modelar que abriga crianças de ambos os sexos.

É dessa criatura boníssima de quem fôramos grandes e sinceros admiradores, pelos seus méritos na doutrina, de atividade dinâmica - apesar de suas limitações por motivos de saúde - que pretendemos nos ocupar nesse resumo biográfico.

Ernestina Ferreira dos Santos, mais conhecida por Dona Nenen, nasceu a 1º de janeiro de 1878, no Rio de Janeiro, filha de Aristides Gonçalves Ferreira e Augusta Dias Ferreira.

Ignácio Barbosa dos Santos, jovem dois anos mais velho que Ernestina, apaixonou-se pela sua candura. De índole boa e amorosa, passou a ser o seu par constante, acompanhando-a sem desanimar através de sua enfermidade e de seu estado de fraqueza. Com apenas dezessete anos, já havia sofrido sete operações na perna e, embora conseguisse andar, sentia dores atrozes. Mesmo assim, ambos se sentiam cada vez mais apaixonados, por certo, espíritos compromissados que se reencontraram.

Os jornais da época começaram a noticiar as curas milagrosas feitas por um médium  português, chamado Eduardo Silva, residente no Estado de São Paulo. Ernestina entusiasmou-se com a notícia e rogou à sua mãe que a levasse à presença desse homem.

No trem começou a ler aquele livro maravilhoso que tinha recebido do noivo - O Evangelho Segundo o Espiritismo, descortinando um cenário esplendoroso. E à medida que lia, comentava consigo mesma: " Era isto que eu estava esperando, agora compreendo tudo, esse livro responde a todas as minhas indagações, é exatamente esse Jesus que eu buscava". Daí em diante, tornou-se espírita de alma e coração.

Quando Ernestina foi à sua presença, tinha uma fístula que causava dores tremendas, em conseqüência da última operação. Eduardo disse-lhe - "minha filha, não sei de nada, porém, vamos rogar a Deus que Ele a curará". Com a imposição de suas mãos, imediatamente sentiu um grande alívio, uma vibração muito forte e pronta melhora. No hotel, notou que suas vestes estavam molhadas de uma secreção. Nessa noite, aliviada das dores, pode dormir profundamente. Diariamente submetia-se aos seus passes, acentuando-se suas melhoras. No fim do mês, estava completamente curada. Naquela ocasião, a polícia resolveu intervir, proibindo as curas do médium.

Regressou ao Rio, sentindo-se outra. Casou-se com Ignácio, que durante  mais de 50 anos de vida em comum, foi o seu enfermeiro dedicado com sentimento de proteção para o seu defeito físico. Desse matrimônio veio uma filha, que, apesar de todos os reiterados conselhos médicos, ele não quis recusar.

O espiritismo foi penetrando aqueles corações bondosos, entrando naquele lar cristão. Organizaram no próprio lar, o Grupo Espírita "Cultivadores da Verdade". As sessões de estudos da doutrina realizavam-se todas as quartas-feiras, presidindo-as  um amigo da família, chamado Serrão, o qual posteriormente, convidou o médium Ignácio Bittencourt para sua direção.

Logo começou a crescer a instituição e pensou-se numa assistência aos necessitados. Ernestina propôs que se organizasse o "Pão dos Pobres", que passou a ser distribuído diariamente. Nesse mister, ela subia os morros, apoiada pelo braço de um garoto, que fora criado em sua casa, tornando-se um dedicado e querido amigo para sempre. Chamava-se Ayres Gouvêa. Mais tarde ela desejou festejar a data de fundação com uma farta distribuição de gêneros alimentícios, roupas, brinquedos para as crianças e muita fartura aos pobres.  A data de primeiro de janeiro era uma festa de coração para corações.

A essa altura, o revés bateu à sua porta. Ignácio teve que liquidar a sua firma e ficou inteiramente sem recursos. Ernestina que sempre desejara ser professora, não o sendo por motivos de saúde, fez um concurso na Escola Normal e foi aprovada, passando a lecionar para ajudar o esposo. Foram anos de duras provas porém nunca esmoreceram. Com a fé inabalável no Criador, suas vidas foram se normalizando para felicidade de todos.

No dia 31 de dezembro de 1918, tudo estava pronto para a distribuição no dia seguinte: os pacotes de gêneros, os cortes de fazendas, roupinhas, brinquedos e até dinheiro em envelopes. Alguém bate à porta e entrega uma lista com a importância de novecentos mil réis, uma fortuna naquela época. Ernestina pensou sobre o que fazer com esse dinheiro que havia chegado depois de tudo pronto. No dia seguinte, 1º de janeiro de 1919, fez-se a distribuição habitual. Era quarta-feira à noite, realizou-se a reunião como de costume e ao final veio a comunicação de Thereza de Jesus, dizendo: " o dinheiro que entrou à última hora é a semente para a casa de caridade que venho anunciando. Será para as crianças mais pobres que encontrardes. Trabalhai que eu vos ajudarei".

A alegria foi geral. No mesmo instante, lavrou-se a ata de fundação e os presentes inscreveram-se como sócios fundadores. A primeira diretoria do Abrigo Thereza de Jesus, ficou assim constituída: Presidente - Ignácio Bittencourt; Vice-Presidente - Raul Salgado Zenha; diretores - Ernestina F. dos Santos,  Maria Emília Appa dos Santos, Ignácio Barbosa dos Santos, Manoel Santos; tesoureiros - Antonio Batista Coelho, Samuel Caldas; secretários: Octávio Pereira Legey, Alexandre Luiz Dyott Fontenele e procurador - João Esberard.

A sua abnegação e o seu espírito de trabalho, junto às crianças e os necessitados, sua alma caridosa e sua bondade personificada, valeram-he em 1951, o diploma e a medalha de "Honra ao Mérito", outogado pela Rádio Nacional. Programa dirigido por Paulo Roberto, destinado a agraciar aqueles que sobressaiam pelos benefícios prestados em causas humanitárias.

Ernestina desencarnou aos 16 de novembro de 1953, deixando à sua retaguarda um rastro de luz, seguida por um punhado de companheiros, que até hoje, sustentam e haverão de sustentar sempre a Casa de Thereza de Jesus.

Compartilhar
Topo
Ainda não tem conta? Cadastre-se AGORA!

Entre na sua conta