pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Janeiro 2022

Sobre o autor

Cláudio Conti

Cláudio Conti

Compartilhar -

Em artigo publicado no Jornal Correio Espírita [1], foi visto que as Leis Divinas refletem a natureza daquele mesmo que as elaborou, ou seja, de Deus. Desta forma, podemos considerar que os processos para a compreensão destas Leis devem ser tão naturais quanto elas próprias, bastando intenção e boa vontade.

Isto fica muito claro na resposta ao questionamento de Kardec com relação à possibilidade de todos terem o conhecimento dessas leis. Na resposta, foi dito que “todos podem conhecê-la, mas nem todos a compreendem. Os homens de bem e os que se decidem a investigá-la são os que melhor a compreendem”[2]. Assim, é imperiosa a dedicação ao estudo e à observação dessas leis em ação.

Podemos, então, reconhecer que o primeiro processo possível para a compreensão das Leis de Deus é a prática de boas ações e dedicação à justiça nas mais variadas formas. O segundo processo é através do estudo e investigação dessas leis, o que, forçosa e naturalmente, conduzirá ao aprimoramento pessoal. Aqueles que se dedicam a esses dois processos conduzirão suas vidas de forma proveitosa, trazendo benefícios para a evolução espiritual e encontrar-se-ão em situação adequada no pós-morte.

Contudo, não são esses os únicos processos possíveis, pois é importante ter em mente que ninguém pode furtar-se de compreender as leis, por serem essas fundamentais para a evolução espiritual. Pois, na continuação da resposta mencionada anteriormente, tem-se que “todos, entretanto, a compreenderão um dia, porquanto forçoso é que o progresso se efetue”[2].

É interessante notar que, segundo essas leis, ninguém tem a possibilidade de se manter em uma determinada condição mental e comportamental indefinidamente, por mais confortável que possa lhe parecer. Devido ao fato de as Leis Divinas refletirem a natureza de Deus, isto é, a perfeição, aliada a outro fato, que é o livre-arbítrio, consideram todas as intenções, atos e decisões possíveis tomadas pelos espíritos que estão submetidos a elas.

Está gostando deste artigo? Deseja ler mais?

Por favor faça o login abaixo

Compartilhar
Topo
Ainda não tem conta? Cadastre-se AGORA!

Entre na sua conta