pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Novembro 2021

Sobre o autor

Jacob Melo

Jacob Melo

Compartilhar -

Tive a alegria de nascer num lar espírita. Por genitores, meu pai era um curador, um magnetizador e minha mãe presidente da Federação Espírita do RN por longos anos.

Sempre ouvi deles, especialmente de minha mãe, que a base segura de tudo era Jesus e Kardec. E foi assim que aprendi a pensar no Evangelho, sempre buscando descobrir os melhores sentidos, fosse para minha própria vida, fosse para explicar a quem não entendesse. E em Kardec eu tinha a lucidez plena, de tal forma que O Livro dos Espíritos era meu leme, minha bússola, meu GPS. Corroborando com isso, minhas leituras e meus estudos sempre se referem a esses dois personagens grandiosos, notadamente no Novo Testamento e nessa obra primacial do Espiritismo.

Nas curas de Jesus eu via o Magnetismo gritando enfaticamente sobre sua realidade, e quando Ele disse que podíamos fazer o que Ele fazia, e até mais, eu acreditei – e sigo acreditando até hoje.

Consultando O Livro dos Espíritos, com especial enfoque na questão 555, sabendo que, enquanto Ciência, o Magnetismo e o Espiritismo são uma mesma base, me enfronhei pra valer na busca dessas conexões, as quais serviram de trampolim para os mergulhos nas obras dos grandes mestres do Magnetismo. E quando conheci mais aprofundadamente a Revista Espírita, então descobri que seria necessário conhecer outras obras, infelizmente pouco traduzidas para o Português. Uma empreitada nunca imaginada.

Nesse caminho, e sempre incentivado por minha mãe que me dizia que eu tinha um sério compromisso com o Magnetismo – vale lembrar que ela era uma médium excepcional, discreta e muito lúcida, tanto nos fenômenos como na maneira equilibrada de passar o que lhe chegava – e que não deveria me deter ante obstáculos que certamente surgiriam. Na empolgação eu disse a ela algo mais ou menos assim: Não me preocupo, mamãe, pois eu tenho certeza que todo mundo logo perceberá que tudo está em Jesus e Kardec. Ela, em sua sabedoria e sem querer me desestimular, deu um daqueles sorrisos enigmáticos, como a dizer: infelizmente eu sei por onde você passará!

Está gostando deste artigo? Deseja ler mais?

Por favor faça o login abaixo

Compartilhar
Topo
Ainda não tem conta? Cadastre-se AGORA!

Entre na sua conta