pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Maio 2019

Sobre o autor

Djalma Santos

Djalma Santos

Compartilhar -

               

Diariamente devemos pensar, que temos todas as qualidades para vencer em qualquer atividade, como também fazer sucesso em diversas áreas, em todo empreendimento, bastando apenas que o nosso empenho tenha a força máxima; que estejamos dando tudo de nós, para alcançar a vitória e celebrar o triunfo.

       Utilizando o Livre-Arbítrio no processo de escolhas, podemos aplicar nossos talentos e faculdades inatas, que já carregamos em estado latente, decidindo sempre o que é melhor nós e principalmente para os outros. Como ser pensante, precisamos usar a liberdade de pensamento para escolher formas diversificadas, para a melhoria de nós mesmos, porque toda a vez que progredimos, estamos automaticamente, enriquecendo nossos semelhantes.

       É necessário cultivar pensamentos positivos e promissores, pois eles contribuirão para o nosso sucesso pessoal, angariando gestos de simpatia e fraternidade, tão necessários ao convívio dentro de qualquer sociedade moderna. É também através do pensamento contínuo, que o homem moderno pode acompanhar o ritmo da vida, onde cada indivíduo deve encontrar o seu próprio caminho, ou seja, a parte que lhe cabe no espaço material do Planeta em vivemos.

       Essa busca constante, gradativa e homeopática, deve ser realizada no campo da natureza, recebendo aos poucos, os recursos magnéticos que o meio ambiente nos proporciona, aprendendo com a prática do trabalho, a melhor maneira de adquirir conhecimento e respeito pela vida física e espiritual, descobrindo também que somos imortais, programados para crescer, superar e evoluir incessantemente para Deus, através de uma caminhada hercúlea na direção das estrelas.

       Ainda pelo pensamento positivo, podemos concentrar nossas forças nos afazeres diários, e no entusiasmo e otimismo, durante a execução de qualquer tipo de trabalho, adotando o hábito de fazer o serviço com amor e alegria, em tudo que passar pelas nossas mãos. Precisamos deixar marcas individuais, em tudo aquilo que estamos realizando, exercendo as atividades com vocação, tendo a certeza de antemão, que agindo assim, as possibilidades de sucesso serão maiores, principalmente quando gostamos daquilo que estamos realizando.

       Uma das fontes ideais para se obter sucesso no trabalho, é demonstrar firmeza nas nossas atitudes e ações, não dando margem a interpretações dúbias a nosso respeito, ou a respeito de nossas experiências no campo da carne e do espírito. O Planeta em que habitamos possui espaço para todos, pois é rico em recursos de toda a ordem, mas é preciso ponderar que tudo que observamos aqui é temporário, não nos pertence, e com a chegada da morte, temos que deixar tudo aqui e enfrentar a própria consciência imortal.

       Procure não se apegar demasiadamente aos bens temporários, que passam de mão em mão, e pense demoradamente que não poderá levar bens materiais para o outro lado da vida, por isso é necessário cultivar virtudes que são de Deus; que servirão de moeda corrente na pátria espiritual, para onde vamos, depois que atravessarmos as águas enigmáticas do rio da morte. Enquanto estivermos aqui na Terra, precisamos cumprir nossa missão da melhor maneira possível, trabalhando em favor dos outros, angariando laços de amizade e fraternidade, que nos acompanharão quando perdemos o envoltório carnal, transformando em bônus, moeda corrente que circula no mundo dos pensamentos.

       O pensamento contínuo é também a porta de entrada para as influências espirituais, que partem não só de espíritos evoluídos, como também de entidades maldosas e cruéis, que ficam à espreita a procura de “brechas”, no comportamento humano, e isso vem de priscas eras ou tempos remotos, demonstrado através de contos, lendas e tradições, que falam de influências espirituais, de um espírito para o outro, em todas as raças e em todos os tempos. A influência espiritual é uma realidade, e nos dias de hoje está rotulada de “obsessão”, que alguns filósofos chamam de mal do século.

       Talvez não seja tudo isso, mas que a obsessão e as influências espirituais já se encontram inseridas, em mais de trinta por cento das “distonias mentais”, não há menor dúvida, porque o comprometimento com a retaguarda da vida determina isso, e faz parte a Lei de Ação e Reação, permitindo que a vítima do passado volte para cobrar dívidas anteriores. Todas as nossas faltas, de qualquer grau, ficam gravadas na nossa consciência imortal, que exige em tempo certo o ressarcimento desses débitos, que quando não saldados, provocam implosões psíquicas de alto teor energético, desaguando no corpo físico, através de enfermidades de difícil cura e difícil diagnóstico.

       O poder de influenciar os outros é real, porque algumas mentes são mais poderosas que outras, e usam esse poder para jugular, comandar, atassalhar, aprisionar, quando voltadas para o mal, e para aconselhar, curar, acalmar, balsamizar e ajudar, quando voltadas para o bem. Para que a influência espiritual possa se concretizar, a pessoa mentalmente mais forte precisa escorar em pontos negativos da vítima; seja consciente ou inconscientemente, o obsidiado ajuda o obsessor na ação maléfica, o mesmo ocorrendo com as ações no campo do bem, em que as entidades benfeitoras necessitam do nosso apoio e esforço, afim de que possam nos ajudar naquilo de necessitamos ou pedimos.

       Vivemos num Universo de trocas e escolhas, e vive melhor quem aprende a escolher com mais disciplina e mais discernimento. O nosso Livre Arbítrio corresponde apenas a liberdade de escolher, porque ainda não sabemos escolher, e grande parte os nossos sofrimentos, dores e aflições, advém de escolhas erradas que fazemos todos os dias, e as vezes nem damos conta disso, pois temos desculpas para tudo, menos para a nossa incapacidade de escolher o que é melhor para nós. Um dos principais métodos de abordagem psíquica, é a “sugestão”, que é na realidade, um controle temporário do pensamento do outro, por meio de um mandato positivo ou de uma insinuação sutil e forte, que geralmente pega o influenciado desprevenido, obrigando-o a executar coisas que muitas vezes não quer e não deseja, porém, pressionado por uma mente mais forte, acaba obedecendo.

       A “sugestão” é mais comum do que possamos pensar, e constantemente estamos recebendo e emitindo sugestões para ler, para falar, andar, correr, comer, beber, e dormir, o que na realidade, não representa grande perigo para as nossas vidas, pois fazem parte do nosso relacionamento com os outros, mas quando uma sugestão se individualiza e se torna fixa, ai sim, estabelece uma “simbiose espiritual” ou associação, que eu chamo de “parceria”, em que uma mente passa a influenciar negativamente, no mais das vezes para o mal, surgindo então a invasão da fronteira mental, que vulgarmente chamamos de “obsessão”.

       A obsessão permanente e continuada, se não tratada a tempo pode acarretar numa subjugação, que é a forma mais forte de pressão de um espírito sobre outro, retirando do obsidiado a liberdade de pensar, ocorrendo os estados mórbidos de desequilíbrio, que conhecemos com os nomes e idiotia ou loucura. A cura de influências espirituais, ou obsessão, se faz com um trabalho demorado, envolvendo as duas partes envolvidas com a ligação indébita, sem favorecimento a nenhuma das partes, mas tratando com amor e carinho, orientando-as para o caminho do bem, porque só o amor cura a obsessão.

       O culto no lar, a prece, o estudo sistematizado da Doutrina Espírita, o silêncio, o recolhimento e a leitura de bons livros spirituais, são antídotos infalíveis para a cura das abordagens espirituais, sendo também necessário a mudança de hábitos, tendências e pendores; como também o afastamento dos vícios, desejos e paixões, que em síntese, são portas abertas para a aproximação de espíritos malfeitores, que na realidade, são simplesmente homens que viveram aqui na Terra, e que ao atravessar as águas enigmáticas do rio da morte, levaram consigo, as mazelas que vivenciaram enquanto vivos.

 

Bibliografia: Livro dos Espíritos, Livro dos Médiuns. (Kardec) A Caminho da Luz, (Emannuel)        

Compartilhar
Topo
Ainda não tem conta? Cadastre-se AGORA!

Entre na sua conta