pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Setembro 2021
Escrito por: Givanildo Ramos Costa
Compartilhar -

Possivelmente, nós, brasileiros, não dimensionamos o que seja suplantar barreiras linguísticas num país de dimensões continentais como o nosso, onde os problemas de comunicação, em comparação aos que acontecem em muitas nações, são nenhuns.

Naturalmente que existem outras que se fazem, como as indígenas, cujas várias línguas desapareceram em função do próprio processo evolucional linguístico, e da ação danosa de povos que foram determinantes na construção da Pátria, e que embora muito ajudaram, muito prejudicaram o “elemento indígena que muito colaborou na edificação da pátria nova”, no dizer de Humberto de Campos, em psicografia de Francisco Cândido Xavier, no livro Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho.

Lembro-me que, recentemente, em um Congresso Brasileiro de Esperanto, em Manaus, ao entrevistar um estudante da Língua Internacional de uma etnia indígena, uma vez que apresento o programa semanal pela Rádio Rio de Janeiro, O Esperanto, a Língua da Fraternidade, disse-me que, quando nos encontros indígenas de etnias diferentes, uma das línguas usadas como auxiliar é o Tucano, para melhor se compreenderem, e olha que o Continente Americano é um dos que tem menos entraves na comunicação.

Agora, imaginemos em se tratando do mundo inteiro, há três séculos, na época de Lázaro Luís Zamenhof. Ele que reencarnara no interior da Polônia, sentindo profunda influência russa, onde havia a imposição do idioma russo. Ali, onde também se falava o alemão, ídiche e o polonês, agravado pelo forte preconceito contra o judeu, ele que era de família judia. Bialystok, portanto, cidade onde nascera era o mundo em tamanho miniatura, onde o egoísmo prevalecia, marca registrada de Planeta de Provas e Expiações, onde havia conflitos linguísticos, até os raciais e religiosos.

Contam os biógrafos do Iniciador do Esperanto, como gostaria de ser lembrado, que certa vez, ao ser abordado na rua por soldados russos, com adjetivos pejorativos como “judeu imundo” entre outros, teve que correr até sua casa, situação que se complicou, pois antes, ali, um homem fora assassinado por autoridades russas, por tê-los afrontado, prorrompeu em choro, dizendo à sua mãe: “hei de fazer alguma coisa para que isto não aconteça mais no mundo”.

Está gostando deste artigo? Deseja ler mais?

Por favor faça o login abaixo

Compartilhar
Topo
Ainda não tem conta? Cadastre-se AGORA!

Entre na sua conta