pteneofrdeites

Sobre o autor

Ângela Delou

Ângela Delou

Compartilhar -
feministaA africana Leymah Gbowee recebeu o Nobel da Paz em 2011 por sua
participação no processo de paz na Libéria.

Libéria significa “liberdade”
O nome Libéria vem do latim “terra livre”. A história da Libéria, país da África
Ocidental, é única. Faz fronteira ao norte com Serra Leoa e Guiné, e a leste com a
Costa do Marfim e ao sul e a oeste com o Oceano Atlântico.
Foi fundada e colonizada por escravos americanos libertos. Escravos
libertos dos navios negreiros também foram enviados para a Libéria, em vez de
serem repatriados para seus países de origem. Estes colonos se organizaram e
em 1847 fundaram a República da Libéria.
Entretanto em 1980 um golpe militar derrubou o presidente, iniciando um
período de guerras civis que devastou o país, deixando mais de 250 mil mortos.

As damas de branco
Em 2003, centenas de mulheres vestidas de branco, lideradas por Gbowee,
caminharam ao palácio presidencial para uma audiência com o ditador Charles
Taylor, que foi obrigado a recebe-las por causa do barulho que faziam nas ruas,
em praças públicas e nos campos de futebol. As imagens correram o mundo e as
mulheres foram ganhando espaço na mídia. Como porta-voz do grupo, Leymah
declarou que as mulheres se recusavam a fazer sexo com seus maridos. A
ativista havia testemunhado as maiores atrocidades e essa foi a forma que as
“damas de branco” encontraram de chamar a atenção dos homens para acabarem
com a guerra. Declarou: “Nós, mulheres da Libéria, não permitiremos mais ser
estupradas, abusadas, exploradas e mortas. Estamos cansadas de guerra.” O
cessar-fogo veio um ano depois e o acordo de paz finalmente foi assinado, sob
forte pressão internacional. Taylor foi julgado e condenado a 50 anos de prisão
pela corte internacional de Haia.

Documentário
O filme “Pray the Devil Back to Hell” mostra sua atuação em favor da paz.
Em 2002, num mercado de peixes, Leymah reuniu algumas mulheres da sua igreja
que começaram a cantar e orar pela paz. O colunista Bob Herbert, do jornal “The
New York Times” conta no documentário o sonho dessa mulher que queria acabar
com a guerra civil da Libéria.

Mulher de coragem
No final de 2012 veio ao Brasil participar do fórum “Mulheres Reais que
Transformam” e declarou ser “uma feminista com ponto final, sem reticências. A
mulher precisa ganhar mais poder para equilibrar melhor o mundo.” Viaja o mundo
contando sua história, buscando inspirar outras mulheres a buscarem seus direitos
reduzindo as desigualdades e evitando as tragédias daí decorrentes. Mãe de seis
filhos, Leymah trabalha com políticas de fortalecimento da mulher na sociedade.
Declarou que se houvessem políticas eficazes de saúde feminina e de natalidade,
talvez não acontecessem tantos abortos.

Todos somos irmãos
Essa é a história de uma mulher corajosa que não desistiu de seu sonho.
Agiu de forma solidária, pacífica e criativa, acreditando na mudança.
O momento é de crise. Crise gera oportunidade. Estamos rompendo com
milênios de animalidade e principiando pela construção de uma sociedade baseada
no valor maior deixado por Jesus no ensinamento do “amai-vos uns aos outros.”
Vale a pena lembrar que Jesus é o governador espiritual do planeta
Terra. Entretanto, somente com muito trabalho e comprometimento com o
estabelecimento desse Amor verdadeiro na face da Terra é que conseguiremos
ampliar os horizontes de paz e união entre os povos. Esse amor nasce dentro de
cada coração ao reconhecermos que somos todos irmãos.
Compartilhar
Topo Cron Job Iniciado