pteneofrdeites

Sobre o autor

Dirceu Machado

Dirceu Machado

Compartilhar -

Formação básica

Alexander Nicolaievitch Aksakov nasceu em Repievka (Rússia), em 27/05/1832, e desencarnou em São Petersburgo a 04/01/1903. Era filho de um filósofo de formação religiosa chamado Nikolai T. Aksakov e cunhado do escritor Sergey Aksakov. Sua esposa chamava-se Sophie Aksakov.

Sua família pertencia à nobreza russa, portanto era natural que iniciasse seus estudos no Liceu Imperial de São Petersburgo, tradicional instituição de ensino da antiga nobreza da Rússia. Uma vez concluídos seus estudos básicos, dedicou-se ao estudo da filosofia e da religião, tendo para isso que aprender o hebraico e o latim. Como estudante, ficou fortemente impressionado com os escritos do sueco Emmanuel Swedenborg (29/Janeiro/1688 – 29/março/1772), cientista, filósofo, teólogo e escritor que, aos olhos de muitos, era tido como um profeta místico. Foi um precursor do Espiritismo.

Para melhor compreender o homem como um ser integral (corpo e alma), Aksakov matriculou-se em 1855 como estudante da Faculdade de Medicina de Moscou, onde ampliou seus conhecimentos de física, química e matemática, ao mesmo tempo em que acompanhava, passo a passo, o desenvolvimento espírita na Europa e na América. Para isso ele revolvia livrarias e pedia de qualquer lugar as obras que não se encontravam nas livrarias de sua terra.

Primeiro contato com o espiritismo

Nesse período, recebeu uma obra de Beecher - Revista de Manifestações Espíritas - a primeira que sobre esse assunto chegou às suas mãos e, a partir daí, procurou colocar-se em dia com as publicações sobre tal assunto e seguir, passo a passo, o movimento espiritista na América e na Europa. Em 1854 chega às mãos de Aksakof a obra Revelações da Natureza Divina, de Andrew Jackson DAVIS, que o despertou para o mundo espiritual, de cuja realidade já tinha bastante conhecimento.

 

Início de sua missão

 

Pode-se dizer que 1855 assinala o início do trabalho de Aksakof em prol do Espiritismo, que se estendeu com a tradução para o idioma russo de todas as obras de Allan Kardec, de Robert Hare, de John Worth Edmonds de Andrew Jackson Davis de Robert Dale Owen, do boletim da London Dialectical Society, os trabalhos de William Crookes e a fundação de periódicos como Estudos Psíquicos.

Em 1863 Aksakov traduziu do latim para o russo um livro de Swedenborg intitulado De Caelo et Ejus Mirabilibus et de inferno (Sobre o Céu o Universo e o Inferno).

Enquanto estava em Leipzig, Alemanha, publicou alguns livros sobre o trabalho de Swedenborg. O primeiro foi em 1864: O Evangelho Segundo Swedenborg. Mais tarde, em 1870, publicou O Racionalismo de Swedenborg: Uma Análise Crítica de Seus Estudos sobre a Bíblia Sagrada. Depois, publicou O Livro de Genesis de Acordo com Swedenborg, também em 1870.

 

Mudança de nome

 

Enquanto estava na Alemanha, Aksakov alterou seu nome para Aksakof para acomodar melhor com a pronúncia alemã de seu nome; e este é o modo pelo qual ficou mais conhecido fora da Russia.

Em 1874, ainda em Leipzig, fundou e começou a editar a revista espiritualista Psychische Studien (Estudos Psíquicos), com tiragem mensal. Foi convidado para se tornar Professor da Academia de Leipzig e aceitou, realizando um eficiente trabalho.

Em 1881, Aksakof patrocinou a fundação e foi diretor do jornal hebdomadário Rebus, primeira publicação de uma revista de assuntos psíquicos na Rússia.

Em 1893, foi publicado um de seus mais conhecidos livros, Animismo e Espiritismo, em dois volumes, considerado uma obra clássica da literatura espírita científica.

 

Suas experiências e observações

 

Como experimentador e observador científico, Aksakof realizou excepcionais trabalhos no campo espírita, com o concurso dos mais famosos médiuns de seu tempo; viajou para diversos países, podendo assim realizar experiências com Madame d´Esperance, Eusápia Paladino, D.D. Home, Cook e outros, com os quais publicou, em Leipzig, Alemanha, sua monumental obra Animismus und Spiritismus.

 

Comissão de professores

 

Em 1892, em Milão, na Itália, participou de inúmeras experiências com médiuns famosos para atestar a veracidade dos "fenômenos observados na obscuridade", dos quais sobressai o seu brilhante relatório da Comissão de Professores, valorizado pela apreciação de Cesare Lombroso. Os membros dessa comissão eram eminentes cientistas daquela época em diversos ramos do conhecimento cujos nomes são seguintes:

- Alexandre Aksakof, Conde, doutor em filosofia, lente da Academia de Leipzig, diretor do jornal Psychische Studien (Estudos Psíquicos) e Conselheiro de S.M., o Imperador da Rússia;

- Angelo Brofferio, cientista italiano, professor de filosofia, de Milão. Aceitou as manifestações espíritas, após suas experiências com a mediunidade de Eusápia Paladino;

- Charles Richet, médico e fisiologista francês (1850-1935), doutor, professor adjunto da Faculdade de Medicina de Paris e diretor de Annales des Sciences Psychiques, órgão oficial da Societé Universelle d´Études Psychiques, de Paris, França;

- Césare Lombroso, doutor, antropólogo e notável criminalista italiano, autor da célebre obra L´Uomo Delinquente;

- G.M. Ermacora, professor de física em Pádua e em Milão;

- Giovanni Schiaparelli, diretor do Observatório Astronômico de Milão;

- Giuseppe Gerosa, professor de física da Escola Real Superior de Agricultura de Porcini;

- Hércules Chiaia, doutor, cientista italiano, introdutor do Espiritismo em Nápoles. Sua desencarnação ocorreu exatamente no dia em que corrigiu a última palavra do seu livro O Espiritismo;

- Du Prel, Barão Karl, filósofo e pesquisador psíquico, natural de Landshut, na Baviera, Alemanha, onde encarnou a 3 de abril de 1839; desencarnou 4 de agosto de 1899, em Heiligkreuz, no Tirol. A polêmica entre o Conde Alexander Aksakof e o Dr. Hartmann, provocada pela primeira edição alemã da obra de Aksakof, Animismo e Espiritismo, refutando uma obra do Dr. Hartmann, publicada sob o título A Hipótese dos Espíritos e seus Fantasmas, desperta em Du Prel a certeza da veracidade dos fenômenos e o torna um defensor do Espiritismo.

 

Por todo seu trabalho de pesquisador e de escritor, bem como pela nobreza de sua família foi requisitado para ser Conselheiro de Estado na corte do Tzar Alexandre III, da Rússia.

Conde Alexander Nicolaievitch Aksakof, físico, químico, professor universitário, cientista, pesquisador, Conselheiro de Estado na corte do Tzar Alexandre III, da Rússia, é mais um exemplo de que Ciência e Espiritualidade podem caminhar juntas.

Compartilhar
Topo Cron Job Iniciado