pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Maio 2013

Sobre o autor

Djalma Santos

Djalma Santos

Compartilhar -
::cck::189::/cck::
::introtext::::/introtext::
::fulltext::

castigoeterno" SEJA QUAL FOR A DURAÇÃO DO CASTIGO, NA VIDA ESPIRITUAL OU NA VIDA FÍSICA, ONDE QUER QUE SE VERIFIQUE, TEM SEMPRE UM TERMO, PRÓXIMO OU REMOTO. NA REALIDADE, NÃO HÁ PARA O ESPÍRITO MAIS QUE DUAS ALTERNATIVAS: PUNIÇÃO TEMPORÁRIA DE ACORDO COM A CULPA, E RECOMPENSA GRADUADA SEGUNDO O MÉRITO. REPELE O ESPIRITISMO A TERCEIRA ALTERNATIVA; A DA CONDENAÇÃO ETERNA." (ALAN KARDEC, O CÉU E O INFERNO, 1ª PARTE, CAP V, O PURGATÓRIO. QUESTÃO Nº 9.)

   Recordando o Evangelho de Jesus, podemos afirmar com absoluta certeza, que o Mestre Divino nunca deixou de nos advertir quanto à responsabilidade que nos será cobrada após a morte, ocasião em que certamente cada um de nós encontrará o resultado de nossas ações, no campo do bem ou do mal.

   O Nazareno afirmou categoricamente : "Eu porém vos digo, que todo aquele que sem motivo se irar contra seu irmão de luta, estará sujeito a julgamento; e quem proferir um insulto a seu irmão estará também em julgamento no tribunal; e quem chamar o outro de tolo e desprezível, estará sujeito ao fogo do inferno ."

  Jesus nos dá uma ideia clara e insofismável de que, do outro lado da vida, depois do remorso e do arrependimento, iniciaremos um trabalho de ressarcimento de nossas faltas passadas, a fim de diluirmos os nossos erros, com provas e expiações que terão um tempo determinado, mas que nuca serão eternas.

   A Doutrina Espírita estabelece conceitos idênticos aos do Evangelho de Jesus. Afirma em sua Codificação que, por mais cruéis que sejam os atos cometidos pelos espíritos, ainda assim, sempre terão o perdão de Deus, a fim de se reajustarem diante das Leis Divinas; mas, para isso, é necessário que os culpados se arrependam e se mostrem interessados na reabilitação.

   O Espiritismo descreve com muita precisão, a diversidade e os graus de sofrimento moral que experimentam na vida imortal os espíritos que violam os preceitos da ética e da convivência pacífica com os seus semelhantes.

   Menciona, ainda, as provas e expiações, muitas delas dolorosas e de difícil aceitação por parte dos culpados. Não aceita em hipótese alguma, a crença do chamado castigo eterno, dogma na maioria das religiões tradicionais da Terra, em que se afirma que determinados pecados não tem perdão, tirando das pessoas, o direito de se reabilitarem diante da sociedade que aviltaram.

   O chamado castigo eterno sem remissão é defendido por religiosos obtusos dos textos bíblicos, que ainda estão apegados à Lei de Moisés, que realmente dava essa ideia de eternidade das penas; mas com o advento de Jesus tudo mudou. Não morrerão mais os filhos pelos pais, e nem os pais pelos filhos, mas cada um morrerá pelo seu próprio pecado.

   Disse ainda Jesus que não se deve perdoar sete vezes, mas setenta vezes sete. Deu-nos o exemplo de que o perdão deve ser irrestrito, sem exigências, a fim de provocar no culpado os sentimentos de bondade e de compaixão

   Esse castigo definitivo pregado por várias religiões durante séculos, não só para os bons, mas também para os maus, era uma forma de amedrontar aqueles que não professassem as mesmas ideias, sendo considerados hereges, e por isso muitos foram queimados na fogueira da Inquisição.

   A crença cega nos castigos eternos ou no inferno, não é somente impiedosa, como também exclusivista e declaradamente partidária, pois protege e livra desses tormentos apenas os adeptos da religião dominante, que prega esses conceitos.

   Durante muitos séculos eles exerceram papel principal para pressionar fiéis. Formaram o nascimento de uma fé cega, sustentada pelo medo da morte, que sem dúvida nenhuma, também foi utilizada para assustar e intimidar, quem não obedecia aos dogmas da religião tradicional.

   Por incrível que pareça ainda prevalece nos dias de hoje essa força teológica toda poderosa, usando sempre a intimidação pelo medo; mas, aos poucos, as figuras do diabo e o espectro da morte, as brasas do inferno, os horrores do purgatório, vão ficando para trás, como mitologias antigas, contos de fadas, historias de bruxas e outras lendas tão comuns no folclore brasileiro.

   A aberração teológica dos castigos eternos seria para o espírito imortal uma espécie de estagnação dentro da própria eternidade, da qual ele não pode fugir, por estar inserida no seu destino, não importando os anos ou séculos que levará para se corrigir.

  O certo é que todos têm o direito de evoluir e crescer para Deus. Esse é o destino de todos os seres humanos, criados por Ele. Não se pode simplesmente lançar no fogo do inferno os ateus, os pecadores ou pagãos ou outros mais que contrariem os dogmas da igreja tradicional, pois demonstra ante o Criador, um sentimento anti-fraternal que amesquinha e diminui o Seu amor pelos Seus filhos..

   Deus está sempre disposto a ouvir as lamúrias, choros, ranger de dentes, irresignações e revoltas dos espíritos culpados. Atende a todos, de acordo com a situação mental de cada um, mas nunca deixando de amparar, principalmente os mais necessitados, os deserdados da sorte.

   Para a Doutrina Espírita, fica difícil aceitar em sã consciência essa ideia aterradora, retrógrada e obscura, desses religiosos dogmáticos e de fé cega. Nós, ainda imperfeitos na evolução terrena, compadecemo-nos de criminosos perversos e impiedosos, que praticam todo o tipo de mal, de crime, de perversão, chocando muitas vezes milhares de pessoas, tal a hediondez como foram cometidos. Como então poderemos pensar que Deus, sumamente sábio, amoroso e misericordioso, possa execrar seus filhos com penas eternas?

   O mais provável é que Ele perdoe infinitamente, que é o que realmente faz. Perdoa não sete vezes como disse Jesus, mas setenta vezes sete, desde que o infrator das suas Leis que regem a vida cósmica, se humilhe diante Dele , obedecendo aos conceitos morais, já inseridos na consciência de cada ser humano em experiência aqui neste Planeta de Provas e Expiações.

::/fulltext:: ::cck::189::/cck::
Compartilhar
Topo Cron Job Iniciado