pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Fevereiro 2017

Sobre o autor

Djalma Santos

Djalma Santos

Compartilhar -

A vida física requer do espírito mortal inteligência e preparo espiritual para que ele possa entrar em contato com os ciclos mais elevados da vida superior; mas poucos são os seres humanos que se preocupam com a vida espiritual, que é a verdadeira, e a que nos aguarda nos portais da eternidade, porém, o conluio diário com os vícios, desejos e paixões, praticamente, quase que anula nossos esforços no sentido de procurarmos nossa iluminação.

Podemos afirmar, no entanto, que a vida de silêncio, recolhimento e meditação, prece, e o Culto do Evangelho no Lar, é a ideal para iniciarmos esse esforço de encontrarmos nós mesmos, mas essa batalha pode durar anos. A expectativa de uma vida depois da morte nos acena com um mundo melhor, onde encontramos nossa verdadeira felicidade, sem nunca esquecer que essa vida que começa aqui na Terra, nesse relacionamento amoroso e sincero com os nossos irmãos de luta, é um preparo para a vida depois da morte.

Os espíritos são criados simples e ignorantes de acordo com a vontade de Deus, que os encaminha na evolução infinita por meio do automatismo, até que já bastante evoluídos possam receber dois instrumentos divinos – que são o Livre Arbítrio e o Pensamento Contínuo – , e juntamente com esses dois recursos, o espírito recebe a responsabilidade, que certamente terá pelos seus atos realizados pelas suas escolhas, nos campos da carne e do espírito, passando então, a partir daí, construir sua própria felicidade, com oportunidades ilimitadas para aprender as bênçãos valiosas da experiência humana.

As humanidades que vivem nos milhares de mundos espraiados no Universo de Deus, recebem a supervisão e administração educativa de espíritos superiores, que através dos milênios auxiliam os mais atrasados, não sendo portanto possível que, em parte alguma, possam existir espíritos fora das atividades do trabalho, da luta pelo seu próprio adiantamento, como também entidades espirituais inativas, sem fazer absolutamente nada, porque isso seria um atraso moral e intelectual, e que certamente atrofiaria a mente e o cérebro do viajor da eternidade.

Se Deus permitisse que os espíritos em determinada fase de sua evolução permanecessem em inatividade, certamente seria um Deus de coração endurecido e déspota, sem nenhuma caridade para com seus filhos, não lhes dando a mínima chance de melhorar, e assim contribuindo para que todos permanecessem atrasados e falíveis nas incontáveis faltas leves, médias e graves que o espírito pode cometer. O certo, porém, é que nenhum espírito fica eternamente entregue às suas imperfeições, porque não há falha no processo de reeducação dos filhos de Deus, por mais imperfeitas e rebeldes que sejam as entidades espirituais.

A Lei do Progresso atinge todos sem discriminação, dando oportunidades iguais em todos os setores da vida, e só não trabalha para alcançar méritos quem não quer; e os estímulos para que os espíritos se adiantem na senda evolutiva são muitos, sempre no sentido de fazer com que todos sejam felizes, vivam em paz, alegria e felicidade. Mesmo nas faixas vibratórias consideradas sombrias, o espírito mortal não fica sem atividade, porque a própria dor e o sofrimento o arremessam para frente e para cima, coroando de êxito as palavras do Apóstolo Paulo em uma de suas Cartas aos Gentios: “Ainda que o homem exterior se corrompa, o interior se renova sempre”, numa demonstração cabal e completa que, mesmo estando no estágio do mal, o espírito está sempre progredindo, sem se estagnar na sua carreira evolutiva.

É interessante observar também, que as almas perversas e ignorantes que estagiam em locais trevosos, onde sofrem temporariamente suas culpas, não estão desamparadas da providência divina, e sim têm juntamente com elas espíritos superiores, que as amam e acompanham com muito interesse a escalada de cada uma, e, tão logo demonstrem rasgo de remorso e arrependimento, são retiradas para locais mais claros e rarefeitos, onde são tratadas como filhas de Deus, temporariamente afastadas das Leis Divinas, mas perfeitamente recuperáveis depois de algum tempo, fim de serem educadas e integradas a vida normal da sociedade.

Em síntese, o que funciona no Universo de Deus em que todos evoluímos é a Lei do Trabalho, como propulsora do espírito para o infinito de Deus, dando ao viajor da eternidade as oportunidades de que necessita para a sua iluminação, tendo sempre em foco que Jesus é o corretor de posições de nossas vidas, o maior dispensador de bens eterno do mundo. Qualquer que seja a inferioridade do espírito, Deus nunca o abandona, e cada um tem o seu anjo da guarda transmitindo bons pensamentos para o progresso de cada um, além da ideia de um novo recomeço através de uma nova reencarnação, em que infrator possa ressarcir seus débitos com a retaguarda da vida e avançar vitorioso para sua eternidade junto de Deus.

Compartilhar
Topo
Ainda não tem conta? Cadastre-se AGORA!

Entre na sua conta

Cron Job Iniciado