pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Março 2016

Sobre o autor

Cláudio Conti

Cláudio Conti

Compartilhar -

            Por ubiquidade entende-se a propriedade de se estar em todos os lugares ao mesmo tempo, cujo sinônimo seria "onipresença". A onipresença, por sua vez, conduz à onisciência, isto é, a capacidade de saber ou conhecer tudo. Como entender a ubiquidade com relação ao espírito?  

            A Doutrina Espírita nos esclarece, mais precisamente no livro A Gênese, que a onipresença é uma das propriedades da divindade, isto é, de Deus. Obviamente que necessitamos compreender que a nossa visão de Deus é extremamente limitada, portanto, muitos dos atributos com os quais tentamos compreendê-lo são, também, limitados. Todavia, é o que conseguimos alcançar com a atual capacidade mental.

            Com relação ao espírito propriamente dito, esta questão é interessante e apresenta variantes no entendimento, não sendo simples nem trivial.

            No artigo publicado no jornal Correio Espírita em fevereiro de 2016, abordamos a forma do espírito e as limitações impostas pela matéria, estas mesmas limitações também restringem o espírito, enquanto ligado ao corpo físico, de se manifestar simultaneamente em diferentes pontos no espaço e, com isso, estar ciente dos acontecimentos nestes locais.

            Este tema, quando analisado em profundidade, pode trazer esclarecimentos interessantes sobre alguns fenômenos espirituais, tal como a bicorporeidade ou homens duplos.

            O modo mais comum de bicorporeidade ocorre quando o espírito, liberto do corpo, seja pelo sono natural ou transe mediúnico, em ambos casos o corpo permanece inerte enquanto que o espírito está livre para se manifestar, através do perispírito, em outro local, inclusive em estado tangível. Este tipo de fenômeno pode ser explicado pelas propriedades do perispírito e, neste caso, o espírito age em apenas um local. Todavia, a manifestação do espírito em local diferente de onde está seu corpo pode ocorrer em outros níveis de complexidade, no qual o espírito pode agir em pontos diferentes.

            Kardec aborda a ubiquidade dos espíritos n'O Livro dos Espíritos e requer uma avaliação detalhada.

            Primeiramente, na questão 92, Kardec pergunta: Têm os Espíritos o dom da ubiquidade? Por outras palavras: um Espírito pode dividir-se, ou existir em muitos pontos ao mesmo tempo?

            A própria formulação da pergunta já requer cuidados de avaliação para que se possa apreender a intenção de Kardec quando da sua elaboração, pois verifica-se duas perguntas distintas, e não apenas uma conforme possa aparentar. A primeira é com relação à ubiquidade propriamente dita, isto é, se o espírito pode se dividir; mas ele também pergunta se o espírito pode "existir" em mais de um ponto, que também pode ser interpretado por “manifestar".

            A resposta à questão apresentada também necessita ser analisada em partes.

            Na primeira parte a resposta é: "Não pode haver divisão de um mesmo Espírito”. Nesta afirmativa fica claro que o espírito não se divide. Todavia, a onipresença creditada a Deus também não está implícito que haja algum tipo ou forma de divisão da divindade, caso houvesse, seria o conceito de múltiplos deuses.

            Na segunda parte da resposta, os espíritos dizem: "mas, cada um é um centro que irradia para diversos lados. Isso é que faz parecer estar um Espírito em muitos lugares ao mesmo tempo. Vês o Sol? É um somente. No entanto, irradia em todos os sentidos e leva muito longe os seus raios. Contudo, não se divide”.

            A interpretação comum sobre a forma de ação do espírito é baseada na premissa de algum tipo de presença física, todavia, no mundo atual já existem vários meios para o encarnado atuar em diversos locais sem que ele esteja fisicamente presente, são os controles à distância, nos quais se utiliza ondas de rádio diretamente ou através da internet. Temos, desta forma, que o encarnado poderá agir em vários locais sem que seja necessário que esteja fisicamente presente. Muitos sistemas de vigilância em empresas e residências são mantidos remotamente, nos quais o interessado poderá acessar de qualquer lugar utilizando, por exemplo, seu telefone celular.

            Assim, apesar de não se dividir, o espírito poderá agir em diversos pontos através da sua ação mental e, além disso, supondo que para agir é necessário saber, pode-se dizer que o espírito pode saber o que acontece nestes diferentes pontos. Podemos inferir que, como todas as potencialidades do espírito, a capacidade de ação e as limitações dependerão do grau evolutivo que tenha alcançado. Para os mais elevados, nem o tempo impõe algum tipo de impedimento.

            Podemos, então, concluir que: a) Deus é onisciente e onipresente e; b) o espírito é "multipresente" e "multiciente". As palavras "multipresente" e "multiciente" não existem, mas acredito que facilita o entendimento do conceito que se deseja apresentar. Optou-se por esta apresentação da conclusão apesar de alguns dicionários considerarem que ubiquidade pode significar, também, a presença ou existência em muitos lugares e não necessariamente em todos.

Compartilhar
Topo Cron Job Iniciado