pteneofrdeites
Compartilhar -

Segundo a Organização Mundial da Saúde, 800 mil pessoas morrem dessa causa todo ano, no mundo.

 

Por Vagner Lúcio de Lima | professor e jornalista

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

       Na manhã nublada do último sábado de janeiro, 27, no Centro Espírita Léon Denis, em Bento Ribeiro, após a leitura da belíssima página de preparo intitulada “Suicidas”, do livro Escrínio de Luz, pelo Espírito Emmanuel, de Francisco Cândido Xavier, o trabalhador espírita Marlio Lamha proferiu uma brilhante palestra acerca do “Suicídio”, tema das perguntas 943 a 957 do Livro dos Espíritos.

       No clima da orientação consoladora da página de preparo (“Não condenes as vítimas da loucura e do sofrimento que se retiram do mundo pelas portas do suicídio”), Marlio convida a todos, entusiasmado, a atentar para um tipo de epidemia que, ao lado da fome, assola o planeta, mas ainda não mobiliza tanto a sociedade quanto a febre amarela: o suicídio.

Lamentavelmente, as estatísticas são “assustadoras” e o próprio orador exemplifica, lembrando dados da Organização Mundial da Saúde, segundo os quais “a cada 40 segundos, uma pessoa no mundo se mata”, ou seja, 85 pessoas podem ter insurgido contra a própria existência no tempo que durou essa palestra. Isso representa quase 1 milhão de seres humanos se matando no mundo, principalmente jovens, sacerdotes e médicos.

“De onde provém o desgosto da vida que se apodera de alguns indivíduos, sem motivos plausíveis?” é a primeira pergunta do grupo de questões do Livro dos Espíritos em que Kardec examina a matéria e, também, o fio com o qual Lamha conduz os nossos pensamentos nos próximos minutos.

Dirigindo-se a um salão lotado, ele declara, em tom bem humorado, que “os Espíritos da Codificação não são politicamente corretos (...) eles falam muito claramente que desgosto da vida’ vem da ociosidade”. Mas explica que “há uma ociosidade que, talvez, seja muito pior”: a prática de atividades para as quais o indivíduo não reúne aptidão, focando apenas o dinheiro. “Não fazer o que gosta é terrível, frustrante”, comenta, ainda que “essa não utilização das nossas aptidões naturais, a falta de um sentido da vida seja uma das grandes dificuldades do ser humano” desde que nos transformamos em Homo sapiens 350 000 anos atrás.

Por isso, acrescenta que “nós estamos evoluindo”. Tudo está ajustado à nossa capacidade e o que nos acontece são desafios evolutivos, estímulos para agir. Logo, se existe vacina para a febre amarela, também há vacinas para doenças espirituais como o suicídio, o qual corresponde a uma inadequação à vida, adverte o conferencista.

E, emocionado, conclui: “Jesus é para os doentes” e a Doutrina Espírita é terapia preventiva, oportunidade para evoluir; é profilaxia para resistir às tentações, sem nos entregar, como leciona Emmanuel, “ao cansaço ou ao desalento, na solução dos problemas que te afligem a marcha”.

Nesse esforço, como defende o confrade Marlio Lamha, “a dor faz parte do processo”. Porque também é educadora.

 

*O Centro Espírita Léon Denis está localizado na rua Abílio dos Santos, 137, Bento Ribeiro, Rio de Janeiro, RJ. A palestra de Marlio Lamba pode ser acessada no endereço www.goo.gl/L81hoA.

Compartilhar
Topo Cron Job Iniciado