pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Setembro 2016
Compartilhar -

“Por causa da vossa incredulidade, porque em verdade vos digo que, se tivésseis fé como um grão de mostarda, diríeis a este monte: passa daqui para acolá, e ele passaria, e nada vos seria impossível”.  Jesus (Mateus, XVII:20)

 

       A passagem evangeliza acima extraída de O Evangelho Segundo o Espiritismo, capítulo XIX, relata o momento em que um homem levou seu filho obsidiado para os apóstolos o curarem. Entretanto, estes não conseguem libertar o jovem do jugo de seu obsessor. Por fim, o pai o leva até Jesus e este cura o jovem da obsessão. Espantados, os apóstolos perguntam “por que nós não pudemos expulsar esse demônio”? Jesus remete o fato à falta de fé e de confiança na capacidade para a realização dos feitos que nada tinham de fenômenos ou prodígios.

A fé como instrumento de realizações

Ainda no mesmo capítulo em O Evangelho, agora no item 12, Um Espírito Protetor nos esclarece em relação ao sentimento inato que o homem tem de seu futuro e destino. Informa que a vontade faz desabrochar suas imensas faculdades que possui, crescendo pela sua vontade. Retrata que o Cristo nos exemplificou que querer é poder, sempre obedecendo a permissão Divina. Informa ainda que o homem de talento e o homem de bem perseguem a realização de grandes empreendimentos, porque têm a certeza de alcançar seu objetivo e possuem o ponto de vista futuro, ou seja, têm a certeza de seu dom e vivenciam esta capacidade sempre agindo no bem em consonância com as leis divinas. Ressalta ainda que esta fé é baseada em propósitos salutares, voltadas para a caridade, devotamento e abnegação, frisando também que com a fé, o homem supera suas más tendências. Entretanto, amigo leitor, importante também ressaltar que, conforme aprendizados com os benfeitores espirituais, não basta só a fé, é preciso o sacrifício e esforço próprio, abrindo mão das vantagens pessoais, individuais para potencializar a fé inata em nós. Isto nos dá uma força criativa e nos leva a conclusão que podemos realizar aquela tarefa ou atividade que não nos julgávamos capazes de êxito como por exemplo cura de doenças, ultrapassar obstáculo, concluir nosso conjunto de provas e expiações. Imagina agora o amigo leitor, aquele problema que está vivenciando: será que eu tenho condição de suportá-lo e até resolvê-lo? É claro que sim, se assim não o fosse não estaria passando pela experiência, pois Deus não permite que nada aconteça na nossa vida que não possamos suportar. Acredite em você amigo leitor, mas faça acontecer!

 

O professor e a lição inesquecível

Lembro certa feita de minha adolescência, quando estudava ainda no antigo Segundo Grau (Científico), toda a turma fora muito mal em uma prova de matemática aplicada. As notas foram um desastre. Apelando pela boa simpatia do nosso inesquecível mestre, a turma tentou sensibilizá-lo da necessidade de um “trabalho para melhorar as notas”, em outras palavras queríamos uma “ajudinha” do professor para poder atingir a média exigida da nota. Foi então que o professor pediu que pegássemos lápis e caderno para anotar o “trabalho”: ele começou a recitar ingredientes utilizados para rituais africanos religiosos para que assim o “milagre” da nota acontecesse. Paramos de anotar, então ele proferiu a frase que se imortalizou na minha mente: “não existe facilidade na vida, se vocês querem conseguir nota para passar de série, tratem de estudar, só assim conseguirão o objetivo. Se você ficar parado a mesa esperando o alimento, este não entrará pela porta da sua casa como um passe de mágica. Ficar parado esperando as coisas acontecerem não leva ninguém a lugar algum”. Assim também acontece nos demais atos comuns da nossa vida. Da mesma forma que os alunos pediram ao Mestre facilidade, normalmente, rogamos a Deus outras facilidades e para que ele que ele nos livre de qualquer problema, para que não tenhamos dificuldades, para que nossa vida seja um verdadeiro mar de rosas. Entretanto, remeto o amigo leitor a resposta dada pelos benfeitores espirituais a Allan Kardec em O Livro dos Espíritos, questão 479 sobre a eficácia da prece: “a prece é, em tudo, um poderoso auxílio; mas acreditai que não basta murmurar algumas palavras para obter o que se deseja. Deus assiste os que agem, e não os que se limitam a pedir. Portanto, é preciso que o obsidiado faça da sua parte, o que for necessário para destruir, em si mesmo, a causa que atrai os maus espíritos”. 

A resposta é específica para a cura da obsessão, porém, podemos por analogia expandir o seu entendimento para os demais casos do nosso dia a dia. Para finalizar, querido leitor, compreendemos em tudo a Mão Divina que rege os fatos da vida, e que acreditar em Deus não significa que ele irá prover todas os nossos pedidos, bem como nos livrar daquilo que nos é necessário. Entretanto, pela força da fé, pelo sacrifício e esforço próprio, podemos realizar feitos e amenizar a dureza das nossa provas e expiações.
                 

Bibliografia:

- Kardec, Allan, 1804-1869. O Evangelho Segundo o Espiritismo / Allan Kardec; tradução de Albertina Escudeiro Sêco. 5. ed. Rio de Janeiro: CELD, 2010.

- Kardec, Allan, 1804-1869. O Livro dos Espíritos / Allan Kardec; tradução de Albertina Escudeiro Sêco. 5. ed. Rio de Janeiro: CELD, 201.

Compartilhar
Topo Cron Job Iniciado